Quem é Modesto Neto

RESUMO BIOGRÁFICO

Herdando o nome de seu avô paterno, Modesto Cornélio Batista Neto nasceu aos 20 dias do mês de janeiro de 1990 em Açu – conhecida como terra dos poetas – no Rio Grande do Norte, sendo filho da professora de literatura Maria José Ferreira Batista e do agropecuarista e caminhoneiro Rivair Batista (in memorian). Modesto é irmão de Ana Guilhermina Batista e pai de Rivair Batista de Medeiros que completa cinco anos no dia 13 de julho de 2011.

Modesto Neto estudou no Centro Educacional Padre Felix até a quarta série (hoje 5º ano), na Escola Estadual Professora Joana Honório da Silveira Moura até a oitava série (hoje 9º ano) e dois anos do ensino médio na Escola Estadual Professor Francisco Veras, todas em Angicos (RN). O ultimo ano de ensino médio Modesto Neto cursou na Escola Estadual Desembargador Floriano Cavalcanti na capital potiguar (Natal), onde concluiu o ensino médio – em 2007 – e onde aflorou sua paixão por elementos que fazem parte da sua vida como leitura, história, filosofia e política. Ainda no Ensino Médio, Modesto Batista ingressou no movimento estudantil sendo eleito para inúmeros cargos, destacando-se enquanto ativista e ideólogo. Respeitado por amigos e professores, idealizou a formação de precários jornais estudantis de circulação mensal onde geralmente exercia o cargo de editor, iniciando-se neste período a sua afinidade e respeito à escrita independente, a imprensa alternativa e cultura underground. Em novembro de 2007, Modesto Neto lançou seu primeiro livro de poesias “Faces de Um Mesmo Ser” – livro jovem, inquieto e imaturo. Uma produção independente, paga do próprio bolso que findou por dar certo. Todos exemplares vendidos. No ano de 2009 no dia 17 de janeiro o jovem poeta publicou o seu segundo livro de poesias “Escritos do Silêncio” prefaciado por José Adalberto Targino Araújo que é professor universitário, escritor, advogado, presidente da Academia de Letras Jurídicas do Rio Grande do Norte e membro da União Brasileira de Escritores, considerado uma das figuras mais elevadas da intelectualidade potiguar e paraibana.

Nasceu estima e amizade entre Adalberto Targino e Modesto Neto no inicio de 2007, quando Modesto ainda concluindo o Ensino Médio e foi selecionado a estagiar na Procuradoria Geral do Estado do RN– PGE/RN, aproximando-se assim de Adalberto Targino por discussões culturais e política. No prefácio que escreveu o escritor Adalberto Targino considera Modesto Neto um dos relevantes valores da poesia potiguar ao afirmar “… então Modesto pode, desde logo, receber o seu passaporte para o restrito, porém brilhante, circulo dos jovens poetas potiguares”. Inquieto, meio ousado e metido a escritor Modesto Neto passou a ser titular de uma coluna no Jornal Cajarana que circula no interior do Rio Grande do Norte, não satisfeito com sua participação na singela esfera potiguar do jornalismo passou a enviar artigos de opinião para jornais de circulação maior no estado e na capital e também para periódicos de outros estados. Na revista eletrônica Gosto de Ler (www.gostodeler.com.br) o jovem escritor fez parte do grupo de colunistas-fundadores no ano de 2007, deixando o mesmo por motivos de força superior e retornando ao portal em 2009 onde escreve até hoje assim como no Diário do Sol (www.diariodosol.com.br) onde faz parte do Conselho Editorial.

No Campus Avançado Prefeito Walter de Sá Leitão da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) em Açu/RN, Modesto Neto passou a cursar História e voltando ao movimento estudantil sendo eleito Diretor de Formação Política do DCE para o biênio 2010-2011, e membro do Conselho Superior Universitário (CONSUNI) presidido pelo Reitor, professor Milton Marques, com mandato até 2012.  Participou de congressos e eventos sobre educação, política, reforma urbana e regime militar (1964 – 1985) em várias cidades como Praia Grande (SP), Brasília (DF), Goiânia (GO), Recife (PE) Fortaleza (CE), Natal (RN), dentre outras. Participou ativamente do processo de reformulação do estatuto da universidade e contribuiu para avanços no que diz sentido a participação discente nas esferas de decisão no âmbito universitário. Na esfera política Modesto presidiu o Partido Democrático Trabalhista (PDT) no município de Angicos (RN) até o primeiro semestre de 2012, torna-se vice-presidente da Juventude Socialista do PDT no RN e membro do Diretório Nacional da JSPDT, mas vem a romper com o partido após a eleição de 2012 por desentendimentos com o prefeito de Natal e presidente do Diretório Regional, Carlos Eduardo Alves. Após o período de poucos meses, Modesto Neto, Francisco Monteiro Neto e um grupo dissidente do PDT e de outros segmentos decidem ingressar no PSOL e aproximam-se da LSR – Liberdade, Socialismo e Revolução, corrente interna do PSOL que é filiada ao CIT – Comitê pela Internacional dos Trabalhadores. No PSOL, Modesto Neto passa a militar junto ao professor da UFRN e doutor em economia pela USP Robério Paulino, intelectual autor do livro “Socialismo no século XX: o que deu errado?”. Modesto Neto ainda idealizou o Fórum de Debates sobre Educação e foi autor do texto base da Reforma Educacional Raimunda Neci que aprovada – em congresso de estudantes  sobre a proposta de reforma – em 27 de setembro de 2009 propunha mudanças na educação na esfera municipal na cidade de Angicos (RN). Do PDT ao PSOL, Modesto Neto sempre foi defensor das escolas de tempo integral nos moldes do CIEP’s idealizados por Darcy Ribeiro e implantados no Governo de Leonel Brizola no Rio de Janeiro.

Em relação a educação Modesto foi coordenador do Movimento Educacionista do Brasil no Rio Grande do Norte e diretor do Núcleo Educacionista Câmara Cascudo (hoje já instinto). Capricorniano no zodíaco chinês, cristão, espírita, vascaíno, nacionsliata e socialista apaixonado. Militante, ativista, escritor, cronista e poeta. Perna de pau da pelada dos domingos jogando no meio-campo com habilidade duvidosa. Apaixonado pela vida e pela leitura, Modesto é admirador incondicional da historiografia francesa da Escola dos Annales, fundada em 1929 por Marc Bloch e Lucien Febvre. Gosta de vários estilos musicais como MPB, rock, chorinho, axé, blues, jazz e forró ‘das antigas’. No terreno das crônicas nasceu o livro “Libertário” que foi lançado no final de 2009 pelo selo editorial Clube de Autores e consiste em uma coletânea de crônicas até então inéditas do jovem autor. Modesto Neto nunca apreendeu a encenar, apesar de admirar o teatro e assistir um pouco de cinema. Nunca apreendeu a cantar – afinado – apesar de gostar de música. Tornou-se fã de Charles Chaplin após assistir Modern Times (Tempos Modernos) – clássico do cinema mudo do começo do século XX onde é retratado o período da grande depressão (1929 – 1941) nos Estados Unidos da América, após a quebra da bolsa de valores de Nova York. Durante o ano de 2010 Modesto Neto lecionou aulas de história e geografia na Escola Estadual Professor Francisco Veras em Angicos (RN) no segundo semestre letivo e durante o primeiro semestre do ano atuou na assessoria de imprensa da Oitava Diretoria Regional de Educação (8ª DIRED).  Modesto Neto lecionou ainda no Motivação Cursos Preparatórios, no Cursinho Pré-Vestibular Popular da UFERSA e no curso de técnico em Radiologia pelo Instituto Belchior. Em 2013 Modesto Neto concluiu o curso de licenciatura plena em história onde foi o orador-geral das turmas de História, Letras, Pedagogia, Economia, Filosofia, Ciências Contábeis, formados em solenidade ocorrida no Campus Avançado Walter de Sá Leitão na UERN – Assú.

Inspirado politicamente por figuras do quilate de Leonel Brizola, Darcy Ribeiro, Luis Carlos Prestes, Florestan Fernandes, Che Guevara, Nelson Mandela e Martin Luther King hoje Modesto Neto vive, escreve, estuda, joga futebol, bebe, milita e torce pelo Clube de Regatas Vasco da Gama que sempre faz questão de dizer “foi o primeiro a aceitar negros no futebol”. Tudo isso na cidade de Natal onde estuda Ciências Sociais na UFRN como segunda graduação

Modesto acredita em um mundo melhor, nas pessoas, na vida e no socialismo com todas as liberdades que a alma humana pode gozar. Um pouco frustrado por não saber dançar forró e por não ter visto o Vasco da Gama vencer um campeonato mundial Modesto Neto é mais um filosofo de botequim sonhador, com um metro e oitenta e poucos centímetros de altura, que passou dos 77 quilos em 2011 para 92 quilos em 2014 – claro – de poucos músculos, óculos e alguns neurônios. Acadêmico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPGCS-UFRN), vive e escreve em Natal (RN).



Por Maximiliano Ferreira em 21 de junho de 2011, revisado em 7 de junho de 2014*