Adriano Imperador, a sobriedade de um craque que trocou o futebol pela favela

Postado por Modesto Neto às 16:37


Existe um trajeto de mão única idealizado por milhares de garotos pobres no Brasil. Sair da favela para se tornar uma estrela do futebol. O caminho inverso é uma escolha rara. Dificilmente o jogador que alcança status de popstar conserva laços genuínos com sua comunidade, com sua quebrada, com os campos de várzea que viram seu talento brotar. Por isso, Adriano Imperador, que há mais de cinco anos não disputa uma temporada completa e está sem jogar desde o primeiro semestre de 2016, quando se aventurou numa liga amadora dos Estados Unidos, segue chamando tanta atenção. Em entrevista ao programa “Conversa com Bial”, da Globo, o ex-atacante, ídolo do Flamengo e Inter de Milão, consagrado por uma notável passagem pela seleção brasileira, voltou a mostrar que o ser humano tantas vezes oprimido por trás do uniforme de atleta se sobrepõe à figura do ídolo infalível.

Didico, como é conhecido por ex-companheiros de seleção, foi bastante criticado ao longo do processo de ascensão e queda na carreira. A Pedro Bial, ele reconhece que cometeu um “mar de erros”. Várias críticas merecidas quando se tratavam de seu desleixo com o profissionalismo exigido pelo futebol de alto rendimento. Algo que se transformou em depressão após a morte do pai, em 2004. Adriano, sempre apegado à família, se rendeu à bebida. Forçou a saída da Inter de Milão, onde conquistara a honrosa distinção de Imperador, para poder ficar perto dos amigos de infância e familiares na favela da Vila Cruzeiro, uma das mais violentas do Rio de Janeiro. Opção que a maioria de seus críticos nunca perdoou.

As recorrentes aparições na comunidade geravam manchetes sensacionalistas e insinuações sobre seu suposto envolvimento com traficantes. Adriano era pintado como criminoso por quem preferia escarnecer o fato de que ele se sentia melhor cercado de amigos na favela que do glamour da alta sociedade da bola. Na entrevista, o ex-jogador explicou o que o motivou a buscar refúgio no lugar do qual muitos colegas preferem manter distância, embora tenham origens semelhantes. A favela faz com que Adriano seja visto como uma pessoa comum, e não o astro que arrebatou a Europa e colheu fortunas nos gramados. “Chego lá [na Vila Cruzeiro] e ando descalço, sem camisa, jogo bola, faço churrasco. Isso não tem preço.” Ainda disse que, apesar de não dispensar uma farra entre amigos, consegue agora lidar de uma forma diferente com o álcool. “Eu bebo igual aos meus amigos num churrasco. Ninguém bebe só uma cerveja. Mas hoje tenho controle.”

Adriano faz a barba em uma rua da Vila Cruzeiro

Adriano também não rechaçou a proximidade com antigos vizinhos ligados ao tráfico de drogas, como Rogério 157, que recentemente rendeu capa irônica do jornal Meia Hora com uma foto em que aparecem juntos, e Paulo Rogério de Souza, o Mica, a quem presenteou com uma moto em 2008. “Não dei arma, e sim uma moto. Ele é meu amigo de infância.” Para uma figura pública como Adriano, teria sido mais conveniente se afastar dos amigos que descambaram para o crime a ter de dar explicações a cada visita à Vila Cruzeiro. Preferiu ser leal às amizades e enfrentar a avalanche de julgamentos, mesmo sempre tendo negado participação em atividades ilícitas. Assim foi a trajetória do Imperador. Um sujeito que, por causa dos laços com suas raízes humildes e a depressão, prejudicou somente a própria carreira. É extremamente querido por ex-colegas de profissão e, sobretudo, pela comunidade que nunca abandonou.

Frequentemente, Adriano é tachado como uma potencial superestrela que fracassou. Repete-se a máxima de que, se quisesse, poderia ter sido muito maior no futebol. Mas o êxito do Imperador talvez seja muito maior e verdadeiro que o de grande parte dos craques que se deixam deslumbrar pelo brilho efêmero dos gramados. Ele tem o respeito e a admiração do reduto pobre que não lhe nega guarida nos momentos mais difíceis. Essa, sim, deveria ser a principal medida de sucesso do ser humano, que, independentemente de qualquer ofício, vai muito além do reducionismo imposto pelas necessidades de uma carreira profissional.

O dinheiro proporcionou a Adriano a oportunidade de comprar uma casa confortável fora da favela e afastar seus familiares do contexto de violência social que assola os morros do Rio de Janeiro. Porém, não lhe tirou o desejo de retomar sua essência e buscar a felicidade ao lado de quem ama. Isso vale – ou deveria valer – muito. Seguro de suas escolhas, ele parece, enfim, aos 35 anos, ter alcançado a plenitude que lhe permite desfrutar dos bons momentos acompanhado da família e dos amigos. Viva Didico! E que ele siga vivendo como bem entender, sem a obrigação de voltar a jogar para saciar o desejo de críticos que jamais compreenderão que o boteco de esquina da Vila Cruzeiro pode ser um lugar muito melhor que as vitrines badaladas – e frívolas – de Milão.

Adriano diz ter aprendido a simples lição com o pai, de que “o mal não se trata com o mal, se trata com o bem”. De fato, até que se prove o contrário, ele não faz mal a ninguém. Outra de suas frases célebres serve bem como resposta a quem o julga e o discrimina por ter preferido a favela ao futebol: “Que Deus perdoe essas pessoas ruins”.

Categorias: