Haddad teria recebido 30 milhões de propinas nas eleições de 2012

Postado por Modesto Neto às 01:29


A delação foi feita pelo ex-diretor da Andrade Gutierrez, que afirmou que o ex-tesoureiro do PT buscou seis empresas para quitar dívida de R$ 30 milhões deixada na disputa eleitoral a prefeito em 2012, na qual R$ 5 milhões destinados a João Santana, marqueteiro do partido.

Outras cinco empresas foram cobradas além da Andrade Gutierrez. A própria UTC Engenharia, em delação em 2015 confessou que pagou R$ 2,4 milhões a campanha do petista. Haddad foi eleito em 2012, com uma arrecadação eleitoral de R$42 milhões, mas gastou R$ 67 milhões, um rombo que foi assumido pelo PT nacional. Sabe-se lá se com o dinheiro que estas empreiteiras, em delações premiadas alegam ter dado.

No corre-corre eleitoral, a Lava Jato quer ditar as regras desgastando uns e salvando outros, para fortalecer suas posições a partir de candidatos favoráveis, que não deixa de ser parte de preparar as próximas eleições presidenciais. Ainda que haja muitos imprevistos nos rumos da Lava Jato, seu objetivo de fundo é manter o judiciário fortalecido como árbitro nacional, e abrir espaço para maior influência imperialista e uma política marcadamente neoliberal privatizante, segue em curso estas linhas-mestras da operação e isto é uma guia importante para entender as suas tendências.

Impedir um ressurgimento do PT com força, é fundamental nesse sentido, seja seguir com a faca no pescoço de Dilma e Lula, e impedir que surja uma nova figura com peso nacional, em um momento que não há nenhuma figura de direita que empalme nas massas, vide a baixíssima aprovação de Temer e o desgaste que Aécio vem sofrendo pelas constantes citações na Lava Jato.

Em São Paulo essa disputa se acirra, por ser o antro fortalecido do PSDB, com as principais figuras como Alckmin e Serra, sendo duas que propositalmente são poupadas pelo processo da Lava Jato, garantir que estes fortaleçam seus domínios paulistas pode indicar uma tendência ao fortalecimento desse partido para as eleições presidenciais. Sendo um partido reconhecidamente privatizante e linha dura, Alckmin recentemente privatizou até as riquezas naturais da região, abrindo ao capital privado os parques de São Paulo, e também avança na tentativa de privatizar as Universidades, as concessões nas Linhas do Metrô, além das estradas já concedidas. Serra, por sua vez é citado no Wikileaks por embaixadores americanos como um agente dos interesses das grandes empresas de petróleo.

Contudo no toma-lá-dá-cá das delações, o “prefeito Gourmet” paga a conta dos ocupantes de cargo em sua secretária envolvidos na corrupção, e agora tem suspeição sobre sua própria campanha com esta nova delação. Também vem pagando a conta à população por sua política elitista e higienista, com a morte de mais de 10 moradores de rua devido ao frio. No estado mais rico do país, pessoas ainda morrem de frio, essa é a nova cara do prefeito, apesar das ciclovias e da Av. Paulista aberta. O PT é incapaz de ser uma alternativa as políticas neoliberais da direita, usando da sua influência nas centrais sindicais e estudantis para impedir o desenvolvimento das lutas, assim, não só facilita o fortalecimento da direita em um pais polarizado politicamente, como busca dos mesmos métodos de acordos e favores para responder a crise e a Lava Jato.


Na cidade cinza os trabalhadores e a juventude que derrotou Alckmin podem ser uma alternativa política, a partir da sua luta contra a precarização da vida, pelo emprego, saúde e educação. Uma alternativa a essa direita xenófoba e privatista, que não caia nas mãos do mal menor petista. Já que vemos dia a dia que de mal menor em mal menor vamos “ao mal maior” e à reprodução dos mesmos métodos corruptos do capitalismo em nosso país.