Incompetência e demagogia

Postado por Modesto Neto às 17:31

Por Modesto Neto

Nestes últimos dias a presidenta da Câmara Municipal de Angicos, Nataly Felipe do PTB, devolveu ao Poder Executivo a importância de R$ 81 mil. O ato foi propagado e aplaudido pelos blogueiros que conservam uma boa e estreita relação com a chefe do Poder Legislativo.  A atitude unilateral da Presidenta (que não consultou os demais parlamentares) foi vendida na imprensa local como exemplo de bondade, ética e austeridade fiscal. Alguns hebdomadários afirmaram, no título de suas reportagens, que Nataly presenteava o povo de Angicos devolvendo a referida quantia ao prefeito. O que já era bizarro ficou pior com tanta propaganda pessoal e desrespeito ao principio da impessoalidade na Administração Pública.

Costumeiramente a chefe do Legislativo local confunde austeridade com miséria. O fim deste um ano a frente da Presidência mostra que este interesse em “economizar” beira a patologia. Em tudo se deve contingenciar: água, café, material de limpeza e expediente. O cidadão que foi visitar o Legislativo durante o Natal, não encontrou nenhuma iluminação natalina que pode até ser considera supérflua. Contudo, com o fatídico falecimento do senhor Francisco Simião,   funcionário que garantia a preservação e vigilância sob o patrimônio público, durante todo o mês de dezembro a Casa não contou com um vigia em suas dependências mesmo quando os índices de arrombamentos crescem. Já as paredes que foram riscadas para adequação das instalações elétricas sequer foram pintadas.  

A miséria que é confundida com austeridade é responsável direta pelo conjunto de problemas pontuais que impedem o funcionamento pleno da Câmara Municipal. O pacote de dados contratado para o fornecimento de internet em todos os computadores da Casa e nos gabinetes é claramente insuficiente e o funcionamento é precário. Apesar de todas essas questões levantadas uma deve ser vista com mais atenção: a paralisação das atividades da Escola de Inclusão Digital da Casa. 

A Escola de Inclusão Digital da Câmara Municipal de Angicos já formou, ao longo das últimas gestões, mais de quinhentos jovens de origem popular em cursos de informática básica, capacitando-os para o ingresso no mercado de trabalho. Entre 2013 e 2014, sob a gestão de Francisco Batista, dez computadores novos foram adquiridos para reequipar o centro de inclusão digital e substituir máquinas velhas. Desde a instalação da referida Escola, sob a gestão de Cloves Tibúrcio, este ano de 2015 foi o único em que absolutamente nenhum jovem teve acesso aos cursos de informática. A presidenta Nataly Felipe é a responsável direta, mas infelizmente é a juventude que paga o preço da incompetência e da demagogia que a Presidência da Casa ostenta.

Esperamos que a Presidência da Casa reveja os graves equívocos que cometeu durante o longo e difícil ano de 2015. Sabemos que manter inativa a Escola de Inclusão Digital durante um ano, enquanto devolve uma quantia significativa ao Poder Executivo, é uma verdadeira aberração. Esperamos que em 2016 a escola volte a funcionar, ampliando os cursos ofertados e promovendo a inclusão e capacitação da juventude da cidade. As oportunidades para a juventude não podem ser cerceadas a custa da incompetência gratuita e da pseudo austeridade que tem como fim exclusivo agraciar um personalismo que não cabe dentro das instituições públicas. A Presidenta da Casa será muito cobrada neste novo ano. Esperamos mais ações e menos propaganda.

(*) É historiador, cientista social e militante do PSOL.