Reatamento abre porta para 'turismo médico' de americanos em Cuba

Postado por Modesto Neto às 23:46


Anuja Agrawal correu para o telefone. O presidente Barack Obama havia acabado de anunciar que restauraria as relações diplomáticas com Cuba – e Agrawal, que administra uma empresa de turismo médico em Orlando, Flórida, não queria perder a oportunidade.

Ela ligou para um administrador de serviços médicos em Cuba e concordou em ir adiante com um acordo que eles vinham discutindo havia meses na esperança de que pacientes norte-americanos pudessem logo começar a viajar para a ilha para fazer tratamento médico.

"Havia muito entusiasmo em relação a isso", disse Agrawal, diretora-executivo da Health Flights Solutions, acrescentando que se os norte-americanos começarem a viajar para Cuba em busca de tratamentos médicos a preços acessíveis, isso pode significar um grande impulso econômico para o sistema de saúde do país. "Para eles, estão vendo isso literalmente como ganhar na loteria."

À medida que o governo Obama reduz o isolamento econômico de Cuba, setores de vários tipos estão tentando descobrir o que o relaxamento das tensões significará para eles e exatamente quanta liberdade haverá.

Milhares de pessoas de outros países vão para Cuba a cada ano para o que é conhecido como turismo médico: viagens ao exterior para fazer cirurgias ou outros cuidados médicos, normalmente porque o tratamento lá é mais barato ou não está disponível onde os pacientes moram.

Agora, o governo Obama afrouxou as restrições de viagem para Cuba. Os norte-americanos podem viajar para o país por uma série de motivos, entre eles visitas familiares, conferências acadêmicas, apresentações públicas e atividades religiosas e educativas.

Embora o turismo ou as viagens para tratar da saúde ainda não sejam permitidos, o governo suspendeu uma restrição que exigia que muitos norte-americanos viajassem com grupos autorizados ou conseguissem uma licença prévia para visitar a ilha.

"É um relaxamento, um afrouxamento das restrições", disse Agrawal, acrescentando: "acho que ficará cada vez mais livre", uma vez que a porta estiver aberta.

Na prática, as mudanças podem significar que muito mais pessoas se sentirão livres para viajar para Cuba, mesmo para propósitos que estejam fora das categorias permitidas. Milhares de norte-americanos já viajam para Cuba para fazer turismo ou por outros motivos que estão fora das normas, e mesmo antes das mudanças, muitos cubano-americanos que visitavam a família aproveitavam a oportunidade para marcar tratamentos médicos, dizem muitas pessoas aqui.

Uma porta-voz do Departamento do Tesouro disse que os norte-americanos que desejam viajar para Cuba por motivos que estejam fora das atividades autorizadas podem pedir permissão, conhecida como licença especial, e que esses pedidos serão avaliados caso a caso.

Mas a porta-voz, que disse não ter autorização para falar oficialmente, disse que os norte-americanos que viajam para Cuba são obrigados a manter registros de sua viagem por cinco anos e podem estar sujeitos a auditorias para mostrar que a viagem ficou dentro das normas.

Jonathan Edelheit, diretor executivo da Associação Médica de Turismo, com sede na Flórida, disse que alguns hospitais nos Estados Unidos tinham expressado interesse em formar parcerias com instituições médicas cubanas, que poderiam incluir o treinamento de médicos cubanos.

Essas parcerias em outros países costumam andar de mãos dadas com o turismo médico, e este poderia eventualmente ser o caso em Cuba, disse ele.

"Teremos uma quantidade tremenda de movimento, quer seja de agentes de viagem ou de facilitadores de turismo médico, então quando isso se normalizar eles podem começar a enviar pacientes para cá", disse Edelheit.

Cuba tornou o cuidado com a saúde uma prioridade depois da revolução de 1959, e conquistou a reputação de fornecer cuidados médicos gratuitos e de boa qualidade para seu povo. Milhares de médicos cubanos também trabalham no exterior, na Venezuela, no Brasil e em outros países em desenvolvimento, em uma troca que fornece ao governo do presidente Raúl Castro moeda ou bens, como petróleo, em contrapartida.

Edelheit disse que o sistema de saúde cubano provavelmente terá apelo para alguns norte-americanos porque a ilha é muito próxima, cerca de uma hora de avião de Miami até Havana.

Mas por enquanto, os destinos mais populares para os norte-americanos viajarem para o exterior para cuidar da saúde são o Canadá, a Inglaterra, Israel, Cingapura e Costa Rica, de acordo com um estudo pela Associação de Turismo Médico. Ela descobriu que alguns dos procedimentos mais comuns incluem cirurgia plástica, de coluna e para perda de peso e tratamento para o câncer.

Diferentemente dos norte-americanos, os canadenses não têm restrições de viagem, e Cuba é um destino popular de viagem; muitos canadenses também viajam para lá para tratar da saúde.

David McBain, 47, um paisagista de Toronto que fraturou a coluna em um acidente de carro, foi para Cuba três vezes no ano passado para uma terapia física extensiva.

"Os fisioterapeutas e os médicos têm muito conhecimento e são bem treinados em Cuba, e você simplesmente não pode competir com o preço deles", disse McBain. "O preço é uma fração do que seria no Canadá ou nos EUA para um terapeuta."

McBain, que está parcialmente paralisado e usa uma cadeira de rodas, disse que foi tratado por várias semanas durante cada visita a uma instituição de saúde de Havana. Ele disse que o tratamento em Cuba custa cerca de US$ 200 (R$ 572) por dia, o que inclui cerca de seis horas de fisioterapia diariamente, um quarto confortável e alimentação.

O sistema nacional do Canadá não fornece o tipo de terapia de que ele precisa, disse ele, e um fisioterapeuta neurológico particular teria cobrado cerca de US$ 93 (R$ 266) por hora.

McBain acertou seu tratamento em Cuba através de uma empresa em Toronto chamada Global HealthQuest. Ben Soave e Rosemary Toscani, que administram a empresa, disseeram que ela regularmente envia pacientes para Cuba para fisioterapia, reabilitação de uso de drogas e álcool, e para tratamento de uma doença ocular chamada retinite pigmentosa.

A cirurgia de olhos e tratamentos relacionados, pioneiras na clínica cubana, não estão disponíveis no Canadá ou nos Estados Unidos, e já causaram controvérsias. Estudos independentes levantaram questões sobre a eficácia dos tratamentos, e os médicos da clínica foram criticados por não publicar os resultados de estudos em revistas médicas revisadas por pares.

"Se você não apresenta os seus resultados e publicações, então algo está errado", diz o médico Byron L. Lam, especialista na doença no Bascom Palmer Eye Institute em Miami.

Soave disse que os pacientes fizeram boas avaliações dos cuidados que receberam em Cuba, embora às vezes reclamem de outros aspectos.

"Há outras coisas que não são tão boas, como a comida, as acomodações, a falta de algumas das coisas que nós consideramos serviços básicos, como internet, telefones, esse tipo de coisa", disse ele. "Em termos de tratamento médico, foi excelente."

Ele também disse que os pacientes com os quais ele trabalhou não tinham buscado tratamento em Cuba por ter alguma simpatia política com o governo socialista da ilha.


"As pessoas perguntam: 'para onde podemos ir para conseguir o melhor tratamento?'", disse Soave. "Elas estão pensando em saúde, não em política."

FONTE: Portal UOL
Categorias: